um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2004
Dilema
Numa agência funerária vemos uma lápide, que supomos prestes a ir ocupar o seu lugar na sepultura, com erros de português. 'Tão cedo pastis-te'. 'Agora que nos deixas-te'.
Dizemos alguma coisa? Arriscamo-nos ao olhar reprovador que nos dirigirão por só pensarmos em coisas sem importância perante algo como a morte e o sofrimento manifestado pelos entes queridos naquelas palavras? Ou deixamos que o falecido fique, para sempre (ou enquanto existir a lápide), assinalado pela má ortografia que nem é dele?
publicado por AG às 21:47
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds