um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2004
Quando eu for grande quero ser jornalista
Há dias chatos porque morrem pessoas de que nunca ouvimos falar, e temos de fazer uma notícia sobre isso. Então vamos aqui e ali ver o que os outros disseram, escolhemos umas frases com adjectivos e considerações gerais inócuas, sacamos uma referência qualquer concreta sobre o defunto (neste caso, a defunta) - o ano em que pela primeira vez fez qualquer coisa, a data em que se mudou de uma cidade para outra -, juntamos tudo, dividimos em vários parágrafos para parecer muita coisa, e pronto. Não é difícil. Basta ver a notícia da SIC Online sobre a morte de Susan Sontag:

Morreu Susan Sontag

Escritora e realizadora, Susan Sontag foi galardoada, no ano passado, com o Prémio Príncipe das Astúrias. Morreu, ontem, aos 71 anos, num hospital de Nova Iorque, nos Estados Unidos.

Foi considerada a "dama negra" da literatura norte-americana. As reflexões de Susan Sontag causavam polémica e irritação. Os seus ensaios não deixam os leitores indiferentes.

Começou a carreira teorizando sobre a cultura quotidiana. Aos 14 anos de idade fora convidada para tomar chá com Thomas Mann, quando do seu exílio na Califórnia.

Desde muito cedo, a ensaísta assumiu-se como mediadora entre os universos europeu e o norte-americano. Empenhou-se no apoio à recepção da obra de autores como Elias Canetti, Walter Benjamin ou Roland Barthes.



Se não fosse de mau gosto (o que é sempre tentador), eu ensaiava aqui uns obituários segundo esta receita, só para ver o que sobrava de informação sobre o defunto. Se fosse sobre mim, por exemplo, poderia dizer: Aos 17 anos, Freitas de Amaral confundiu-a com a empregada da Hemeroteca de Lisboa e perguntou-lhe se lhe arranjava daqueles papelinhos das requisições de jornais antigos.
publicado por AG às 19:14
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 30 de Dezembro de 2004 às 00:36
Irmão: Aguenta-te! A Susan Sontag era reverenda na nossa Igreja, visita-a, O Advento do Cosmos, estamos aqui para salvar a humanidade do flagelo que nos atormenta. Podes também salvar-te a ti! Não desistas, entra nesta viagem inter-espacial rumo aos confins do Cosmos! Salva a tua Alma! Purifica-te, irmão.
</a>
(mailto:)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds