um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Sexta-feira, 30 de Setembro de 2005
À atenção dos cidadãos do Porto: José Pedro Serra em Serralves
A comunidade de leitores de Serralves, que começa a 11 de Outubro e tem como tema 'A tragédia grega e o sentido do trágico', vai ser orientada por Maria João Seixas e José Pedro Serra. Deixando a Maria João de lado um bocadinho, queria alertar os potenciais interessados (ou desinteressados) para o facto de que José Pedro Serra, de quem quase não se ouve falar, é um orador extraordinário. Dos meus professores da faculdade, foi O Professor. Não quero fixar-me no folclore, mas não posso esquecer o senhor de fato e gravata que na primeira aula fez uma imitação das danças das bacantes para nós vermos como eram. Isto tudo da forma mais séria e compenetrada possível, sem qualquer tentativa de cativar o público pelo circo. Não me recordo de uma aula banal (eu que tantas vezes adormecia nas outras aulas). Foi o professor mais profundo e entusiástico que tive, mais perturbador da apatia generalizada da mente dos alunos, e com o seu quê de gozo implícito nas perguntas que noz fazia e nos comentários às nossas respostas. Tudo na medida adequada a um cavalheiro.

Nunca mais tive oportunidade de ouvi-lo. Sei que há dois anos deu uma conferência sobre os clássicos na Gulbenkian, e li uma nota sobre o entusiasmo da plateia. Deduzo que continue na boa forma de sempre. Eu não posso ir, e está mal. Até porque estou há 13 anos sem saber de quem era o poema sobre Ítaca que ele recitou um dia na aula (não era do Manuel Alegre, não era o do Al Berto, já me fartei de procurar – se alguém tiver a bondade de perguntar-lhe, terá a minha eterna gratidão).
publicado por AG às 11:24
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Anónimo a 6 de Outubro de 2005 às 18:38
A tradução de Kavafis que foi recentemente publicada pela Relógio de Água é da responsabilidade de Joaquim Manuel Magalhães e de Nikos Pratsinis e não, como referi em post anterior, de Jão Miguel Fernandes Jorge. Mil perdões.evva
(http://www.alias-.blogspot.com)
(mailto:evva@portugalmail.com)
De Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 18:06
Obrigada. Vou procurar.evva
(http://www.alias-.blogspot.com)
(mailto:evva@portugalmail.com)
De Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 09:51
A tradução que referi do "Ítaca" de Cavafis está em Constantin Cavafis, 90 e mais quatro poemas, Coimbra, 1970.Fora do Mundo (tradução de Jorge de Sena)Ivone
</a>
(mailto:mariaivonemendes@hotmail.com)
De Anónimo a 3 de Outubro de 2005 às 17:26
Leio semanalmente o Epicentro há já algum tempo, sempre com muito interesse. Coloquei 'Ítaca' de Kavafis em www.alias-.bolgspot.com. no passado mês de Agosto (desculpem, não sei linkar). A tradução é mais ou menos livre, depois de consultadas traduções francesas e inglesas, sei muito pouco de grego, infelizmente. Não conheço a tradução de Sena (onde posso encontrá-la?), mas foi editada há pouco uma de João Miguel Fernandes Jorge.
O curso que José Pedro Serra co-orientará em Serralves é um pouco caro, já virei e revirei o desdobrável que me enviaram da Fundação inúmeras vezes mas não vou poder ir, com muita pena minha, apesar de viver no Porto.
evvaevva
(http://www.alias-.blogspot.com)
(mailto:evva@portugalmail.com)
De Anónimo a 3 de Outubro de 2005 às 12:05

Eu penso que o poema começa assim:

"Quando partires de regresso a Ítaca,
deves orar por uma viagen longa,
plena de aventuras e de experiências"(...)

(esta é uma tradução de Jorge de Sena)Ivone
</a>
(mailto:mariaivonemendes@hotmail.com)
De Anónimo a 3 de Outubro de 2005 às 11:25
Do que conheço de Cavafys, não encontrei esse poema. Mas sabe qual é o poema que o José Pedro Serra recitou? É que nem título sei. Conseguia reconhecê-lo, se o relesse.galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 30 de Setembro de 2005 às 21:44

Penso que o poema recitado por José Pedro Serra será de Cavafis.Ivone
</a>
(mailto:mariaivonemendes@hotmail.com)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds