um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Sábado, 22 de Janeiro de 2005
Como se chama àquelas pessoas que repetem sempre o mesmo erro?
O meu erro é este: de vez em quando, ceder à facilidade de ir ver um filme a cinemas de pipoca e teenagers de 6ª à noite, fiando-me no facto de, pela descrição, não ser o tipo de filme que eles irão ver. O erro passa a ser mais grave quando, como em Perto Demais, o elenco inclui Julia Roberts e Jude Law. Passei duas horas a ouvir comentários como 'Que coisa idiota!', 'Que nojo!', 'Não estou a perceber nada...', 'Mas este outra vez?', 'Bem, que parvoíce! Que filme horrível!', com uma breve pausa de 5 minutos quando pedi ao bando que se sentara atrás de mim que se calasse. A miúda ficou a olhar-me de boca aberta (uns 8 cm de diâmetro e indignação), depois calaram-se, depois esqueceram. É lamentável que as pessoas não estejam mais habituadas a que lhes peçam que se calem, e não me refiro apenas ao cinema. Percebi depois que não tinham arranjado bilhetes para o Oceans' Twelve. Estavam a detestar o filme, mas não saíam porque queriam saber o fim. Tinham a vaga esperança de uma redenção final após duas horas de narrativa elíptica, cruzada, bem construída, das coisas que não se explicam. A esperança de o amor ser uma coisa simples, os traidores serem castigados, as decisões definitivas, de os amores infinitos serem para sempre. Até com a música do filme embirraram. Houve exclamações de choque e revolta nas cenas mais eróticas, na crueza - ou simplesmente clareza - dos diálogos que envolviam sexo, mesmo quando não era de sexo que se falava.

Não voltarei a cometer o mesmo erro. Não voltarei a cometer o mesmo erro. Digo eu.
publicado por AG às 00:15
link do post | comentar | favorito
9 comentários:
De Anónimo a 25 de Janeiro de 2005 às 22:55
Não está mal visto. E que nome menos eufemístico podemos então dar às pessoas cautelosas?galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 24 de Janeiro de 2005 às 23:46
Chamam-se pessoas cautelosas... estão experientes de cometer o mesmo erro, e assim sabem perfeitamente como reagir... o que fariam da vida se cometessem erros novos? :)LFS
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 24 de Janeiro de 2005 às 00:54
Como eu te compreendo... Já não vou ao cinema há muitos anos (6? 7?) e não o lamento. Mas sempre foi assim: há pessoas que não conseguem estar caladas - são uns imbecis! Devia haver uma lei que permitisse que eles fossem assassinados com requintes de malvadez...
Olha lá, porque é que o teu comentário não se lembra de mim?seven
(http://blog.uncovering.org)
(mailto:neves@uncovering.org)
De Anónimo a 23 de Janeiro de 2005 às 16:34
como te compreendo....a mim aconteceu-me o mesmo... a diferença é que foi num sábado à noite!v. LEAL BARROS
(http://opovoebomtipo.blogspot.com/)
(mailto:vitorbarros@netcabo.pt)
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 15:07
Claro - é a minha opinião, pode haver outras.galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 11:37
no fundo, quem somos nós para julgar os outros?a gerência
(http://www.bar-a-barraca.blogspot.com)
(mailto:bar.a.barraca@netcabo.pt)
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 11:14
Eu sou bastante selectiva (elitista, portanto) nos cinemas, mas foi uma vontade súbita e este era o que ficava perto de casa. Bolas, até com os rabos das strippers eles embirravam: 'Que rabo horrível!', 'Elas são todas GORDAS!', 'Ai, que nojo, esta cena!'. Curiosamente, só se ouviam as raparigas fazer estes comentários. E uma cena de separação entre um casal em que eles no fim se beijam e abraçam, claro, absolutamente absurdo. Uma idiotice. 'Então o gajo deu-lhe tampa, e ela quer que ele a abrace? Que parvoíce de filme!'. Vá lá que não houve telemóveis...galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 09:19
Felizmente aprendi a fazer uma coisa. Sempre que quero ir ver um filme ao cinema faço um pequeno esforço por me levantar às dez da manhã de sábado ou domingo e vou ao Almada Forum ver a sessão do meio dia e meia. Sala só para mim, quase garantidamente.pedro
(http://www.lifeissimple.org)
(mailto:monkey@netvisao.pt)
De Anónimo a 22 de Janeiro de 2005 às 01:48
Elitista!ana
(http://www.estufa.blogspot.com/)
(mailto:)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds