um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Quarta-feira, 25 de Maio de 2005
Anita vai de férias
Volta na segunda quinzena de Junho, com a grata e honesta sensação do dever cumprido e totalmente disponível para as fabulosas aventuras que seguramente a esperam este Verão.
publicado por galinhola às 04:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Maio de 2005
Por vezes basta-me isto como explicação do mundo
O CASTELO DE CHUCHURUMEL

Aqui está a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o pau
Que bateu no cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o lume
Que queimou o pau
Que bateu no cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está a água
Que apagou o lume
Que queimou o pau
Que bateu no cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o boi
Que bebeu a água
Que apagou o lume
Que queimou o pau
Que bateu no cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está o carniceiro
Que matou o boi
Que bebeu a água
Que apagou o lume
Que queimou o pau
Que bateu no cão
Que mordeu o gato
Que comeu o rato
Que roeu o sebo
Que unta o cordel
Que prende a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.

Aqui está a morte
Que levou o carniceiro
E que entrega a chave
Que abre a porta
Do castelo
De Chuchurumel.


(de Lenga-lengas, recolha e selecção de Luisa Ducla Soares, Livros Horizonte)
publicado por galinhola às 22:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Alegria, alegria
Uma alma bondosa avisou-me há dias que estava prestes a ser lançado em Portugal o DVD do Verão Azul. Já cá está, e já assegurei que vou recebê-lo no meu aniversário. Para já, para já, é possível rever o genérico inicial no site da FNAC (mas creio que só funciona em certo browsers, ou é preciso ActiveX, ou qualquer dessas coisas esquisitas).
publicado por galinhola às 16:58
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 22 de Maio de 2005
En garde!
Eu era só para dizer ao xôr Manuel do Quartzo, que tem algumas dúvidas de origem obscura quanto ao meu nick galinhola (clap! clap! clap!) que no Photomaton & Vox há um texto intitulado, precisamente, galinhola. TOMA!
publicado por galinhola às 23:18
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Coisas que eu gostava de conseguir fotografar
Os bigodes perdidos das minhas gatas que por vezes encontro pelo chão.
publicado por galinhola às 22:48
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Maio de 2005
O meu novo pequeno vício diário
Google Maps. Esta é a imagem de satélite de Abiquiu, Novo México, onde Georgia O'Keeffe viveu (copyright da imagem: 2005 Digital Globe, EarthSat)
publicado por galinhola às 13:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Georgia O'Keeffe: Pelvis III

Quando comecei a pintar as ossadas da pélvis estava mais interessada nos buracos dos ossos - o que eu via através deles - particularmente no azul que captava quando as segurava viradas para o sol, contra o céu, como qualquer pessoa pode fazer, quando parece que há mais céu que terra neste mundo
(texto retirado da edição da Taschen/Público, por sinal em péssima tradução e sem indicação de fonte.)



Fotografias - Todd Webb, Cow Skull and Pelvis, O'Keeffe's Ghost Ranch House, New Mexico  1960 ||
John Candelario: Georgia O'Keeffe and Skull, Ghost Ranch House Patio, 1942, Courtesy Museum of New Mexico

publicado por galinhola às 00:31
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Maio de 2005
A hora das flores comestíveis
Informação útil e interessante no Lifecooler sobre flores comestíveis. E eu que já comi uma pétala de lírio... Agradou-me o programa de Serralves sobre o assunto.
publicado por galinhola às 17:24
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 18 de Maio de 2005
Modo citação: Lucille Clifton
song at midnight

                                  ... do not
                                  send me out
                                  among strangers

                                  - Sonia Sanchez

brothers,
this big woman
carries much sweetness
in the folds of her flesh.
her hair
is white with wonderful.
she is
rounder than the moon
and far more faithful.
brothers,
who will hold her,
who will find her beautiful
if you do not?


won't you celebrate with me
what I have shaped into
a kind of life? i had no model.
born in babylon
both nonwhite and woman
what did i see to be except myself?
i made it up
here on this bridge between
starshine and clay,
my one hand holding tight
my other hand; come celebrate
with me that everyday
something has tried to kill me
and has failed.


(retirado da antologia The Erotic Spirit, ed. Sam Hammil, Shambhala)
publicado por galinhola às 23:06
link do post | comentar | favorito
|
Uma concha de flores
Após alguns dias de ventania impune, Lisboa parece ter acalmado. Alertada por uma mensagem lida já não recordo onde, desci a avenida D. Carlos em busca dos jacarandás em flor. É ainda só uma penugem lilás, lá no alto, cujo sinal mais visível são as flores caídas no chão. Enchi uma mão côncava de flores e levei-as assim, destapadas, até à estação de Santos, à mercê do vento, a testar a meteorologia. Nem uma voou ao longo de toda a rua. Só ao virar a esquina, no largo Vitorino Damásio, uma delas se escapou, mas fiz batota e voltei a apanhá-la. As flores têm um interior abaulado e minúsculos mosquitos ou piolhos, não consigo perceber bem o que são. Lembrei-me de em pequena cheirar as pequenas rosas-chá da minha avó para descobrir que há insectos dentro das flores, bicharocos negros e aguçados por entre a cama macia e densa das pétalas. Ainda hoje cheiro essas flores e as espreito, mais à procura dos bichos que com medo deles.
As flores de jacarandá vieram, na palma aberta da minha mão, azuis e com bichinhos.
publicado por galinhola às 22:32
link do post | comentar | favorito
|
.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds