um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Terça-feira, 30 de Novembro de 2004
Ainda se fazem perguntas destas?
Enquanto o parlamento acaba de se dissolver, uma jornalista da Caras Notícias pergunta a Jorge Palma: 'Qual a mensagem que quer passar com este disco?'
A resposta, felizmente, foi 'Nenhuma'. Mas o que fazia ele ali?
publicado por galinhola às 20:23
link do post | comentar | favorito
|
Cesariny no Museu da Cidade
A partir de hoje, está patente no Museu da Cidade de Lisboa uma retrospectiva da obra plástica de Mário Cesariny. A partir de Fevereiro, a exposição pode ser vista em Famalicão.
publicado por galinhola às 10:49
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Novembro de 2004
As minhas gatas gostam do Elvis
- Podes pôr a primeira faixa em repeat - disse a Zazá, quando me viu pegar no Elvis '56.
Assim que se ouviu a voz, mesmo sem menear de anca, a cauda dela foi engrossando, os pelos a vibrar, as orelhas muito direitas. Sentaram-se depois as duas em frente às colunas, imóveis - Heartbreak Hotel doze vezes consecutivas, a fazer tremer o vidro da janela, até sentirem o cheiro do peixe dominical. A meio do caminho, antes que eu tivesse tempo de trocar de CD, a Zeca ainda parou e disse:
- Põe no pause. Voltamos já.
publicado por galinhola às 19:04
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Na livraria Ler Devagar passam-se coisas estranhas
Grupos de cidadãos, nem todos ilustres desconhecidos, fazem complots e marcam encontros para discutir temas e formas de intervenção cívica que não devo aqui reproduzir. São cabalas polifónicas, agitadores que têm de abandonar a discussão para irem buscar os filhos a casa da avó.

Passemos à casa-de-banho. Na parede, um cartaz de grande formato com o Manifesto Surrealista de 1924, em francês. Sobre o cartaz, comentários e anotações dos frequentadores do estabelecimento, uns mais enigmáticos que outros, trazendo à intimidade do WC uma prática afim do cadavre exquis. 'Praia da Cruz Quebrada' é uma das notas que mais me fascinam. No entanto, quem conhece a praia da Cruz Quebrada não estranharia ver lá, entre barracas de madeira, Minnies de peluche sentadas em cadeiras, barcos de pintura lascada, triciclos e gatos de várias cores, este cartaz.
publicado por galinhola às 19:01
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Novembro de 2004
Com o patrocínio 'mantenha-se vivo das 9h00 às 18h00'
Anna Karenina começou a suicidar-se hoje entre as estações de Metro do Marquês de Pombal e de Picoas. Deixei-a no penúltimo parágrafo, tentando libertar-se do seu saquinho vermelho, para poder passar o bilhete nos torniquetes e sair da estação. Vai ficar parada à beira dos carris, a contar os vagões que passam e a olhar o buraco negro entre as rodas, até às seis ou sete da tarde.
publicado por galinhola às 11:09
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quinta-feira, 25 de Novembro de 2004
Ernst Jandl
A ORQUESTRA FANÁTICA

o maestro ergue a batuta
a orquestra agita os instrumentos

o maestro abre os lábios
a orquestra entoa um uivo enraivecido

o maestro bate a batuta
a orquestra arremessa os instrumentos

o maestro abre os braços
a orquestra esvoaça pela sala

o maestro inclina a cabeça
a orquestra roja-se pelo chão

o maestro sua
a orquestra debate-se com torrentes ruidosas de água

o maestro olha para cima
a orquestra precipita-se em direcção ao céu

o maestro está ao rubro
a orquestra colapsa, incandescente

Este e outros poemas de Jandl aqui (lamento, mas não encontrei nenhuma página sem citação dos Bee Gees... pobre Jandl).
publicado por galinhola às 12:39
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quarta-feira, 24 de Novembro de 2004
Os sapatos vermelhos têm mesmo poderes mágicos?
Sim.
publicado por galinhola às 11:09
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Terça-feira, 23 de Novembro de 2004
Que bonita eres
Ontem tive oportunidade de folhear uma revista Hola! (daquelas com ponto de exclamação no princípio que se chamam, em bom português, 'Ióla'). Foi assim que descobri a votação das princesas: a revista propôs aos seus leitores uma série de temas/características para votarem nas melhores princesas europeias. Por exemplo, a princesa mais bem vestida, a princesa mais profissional... Doña Letizia foi medalha de bronze em todas as categorias. De resto, eram sempre os mesmos cinco nomes que surgiam. As minhas categorias preferidas foram sem dúvida 'A princesa mais desportista' e 'A princesa mais apaixonada' (aliás, 'mas enamorada'). Quando finalmente se retomar a colecção Anita, penso que podiamos propor os mesmos temas: Anita Desportista, Anita Apaixonada, Anita Profissional. Embora eu não desdenhasse um Anita e Cristiano Ronaldo.
publicado por galinhola às 11:22
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 19 de Novembro de 2004
Berçário
Tratar certas palavras como crianças de colo. Mimá-las durante o dia. Não as perder de vista, mesmo quando os lábios se atarefam com outras. Dar-lhes o peito enquanto se embala o cansaço. Acordar a meio da noite com o pressentimento de que, no meio do silêncio, nos chamaram.
publicado por galinhola às 15:08
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Anti-depressivo
Hoje deparei-me com alguns marmelos que tinha esquecido no frigorífico, para quando tivesse tempo para. Peguei-lhes; tinham uma película levemente pegajosa. Foi então que senti o cheiro, que recomendo a todos como desentupidor das manhãs em que custa acordar. Poucas coisas cheiram tão bem como este fruto - inteiro, pesado, na sua forma tosca e mal acabada, um aroma de ervas que crescem, límpido, que se condensa dentro da boca e a envolve em inúmeros, minúsculos grãos de doçura.
publicado por galinhola às 15:06
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds