um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Sexta-feira, 30 de Julho de 2004
Sakura em Lisboa
Notícia do Público: Na próxima Primavera, a população da cidade de Lisboa vai poder assisitir e deleitar-se com um verdadeiro espectáculo da natureza: o florir das "sakuras", as cerejeiras japonesas (cuja peculiaridade reside no facto de não darem fruto, apenas flor).
Vai nascer, em Belém, um jardim japonês com 461 cerejeiras (...)

publicado por galinhola às 09:33
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Quarta-feira, 28 de Julho de 2004
Modo citação: Erich Fried
As minhas grandes palavras
não irão proteger-me da morte
e as minhas pequenas palavras
não irão proteger-me da morte.
Palavra alguma
e nem sequer o silêncio por entre
as grandes e as pequenas palavras
irá proteger-me da morte.

Mas talvez
algumas
dessas palavras
e talvez
sobretudo as mais pequenas
ou talvez até o silêncio
entre as palavras
proteja alguém da morte
depois de eu morrer.
publicado por galinhola às 01:47
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 27 de Julho de 2004
Isto é importante
Nem uma palavra a mais, nem uma palavra a menos. E eu assino por baixo.
publicado por galinhola às 19:36
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Amores de Verão
Foto: Dr. B. Akeret
São queridas.
As osgas, as osgas de patinhas abertas e dedos de pontas arredondadas - sempre tive um fraquinho por elas, e lamento que fujam quando tento fazer-lhes festinhas. As minhas gatas, aliás, também.
Sei que não é um amor partilhado por muitas pessoas, portanto se não apreciam o bicharoco deixem-se seduzir pelo menos pela questão científica da impressionante aderência das patas das osgas a superfícies lisas:
The toes of the gecko have attracted a lot of attention, as they adhere to a wide variety of surfaces, without the use of liquids or surface tension. Recent studies of the setae on gecko footpads demonstrates that the attractive forces that hold geckos to surfaces are van der Waals interactions between the finely divided setae and the surfaces themselves. That these kinds of interactions involve no liquids (or no gases) is important; in theory, a boot made of synthetic setae would adhere as easily to the surface of the International Space Station as it would to a living room wall. (para ler aqui).

Mais sobre o mesmo tema no New Scientist.
E não percam as imagens desta apresentação</a>, como esta abaixo:

São ou não são queridas?
publicado por galinhola às 09:00
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Segunda-feira, 26 de Julho de 2004
Modo citação: João Cabral de Melo Neto
A EDUCAÇÃO PELA PEDRA

Uma educação pela pedra: por lições;
para aprender da pedra, freqüentá-la;
captar sua voz inenfática, impessoal
(pela de dicção ela começa as aulas).
A lição de moral, sua resistência fria
ao que flui e a fluir, a ser maleada;
a de economia, seu adensar-se compacta:
lições de pedra (de fora para dentro,
cartilha muda), para quem soletrá-la.
Outra educação pela pedra: no Sertão
(de dentro para fora, e pré-didática).
No Sertão a pedra não sabe lecionar,
e se lecionasse não ensinaria nada;
lá não se aprende a pedra: lá a pedra,
uma pedra de nascença, entranha a alma.
publicado por galinhola às 13:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 23 de Julho de 2004
As coisas que amamos
Certa vez perguntaram-lhe porque razão não se dedicava exclusivamente à guitarra. Carlos Paredes respondeu: "Porque gosto demasiado da música para viver às custas dela".

Não sei se foi mesmo dito, mas li aqui. E se não foi dito, foi pelo menos verdade.
publicado por galinhola às 14:18
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 22 de Julho de 2004
Tipo passe, mas para melhor
O senhor que tirou esta foto do nosso Zé Manel ganhou o dia.
(fonte: TSF)
publicado por galinhola às 14:51
link do post | comentar | favorito
|
Vou já
Hoje acordei com um piano. Não o despertar matinal, na cama, mas a torrente do Verão, a eclosão das coisas tocadas pelo olhar. Bom dia, Ana. Bom dia, Duke.
publicado por galinhola às 14:07
link do post | comentar | favorito
|
A distância mais longa
O mundo está cada vez mais pequeno, não pelas possibilidades de aproximação entre pessoas e locais, mas pela dificuldade cada vez maior em encontrar caminhos que possam percorrer-se a direito, sem obstáculos, sem esquinas, sem ruídos, sem imagens, sem princípios nem fins.
publicado por galinhola às 13:52
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 21 de Julho de 2004
Não há coincidências
Esta 6ª feira, com o DN, o DVD Santana (série Pop Rock).
publicado por galinhola às 10:45
link do post | comentar | favorito
|
.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds