um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2003
Da beleza das mulheres
Há que perder o pudor de falar de certas coisas. De falar de mulheres bonitas. Dizer, com Ingres, que 'jamais um cou de femme n'est pas trop long'. Aplaudir os 'Seios' de Ramon Gomez de la Serna. A beleza conjura contra os nossos pudores e contra a geometria que construímos em seu torno, na esperança de torná-la apresentável e poder levá-la a conhecer os nossos pais. Ah, mas sim, a beleza física das mulheres (noutro dia direi o mesmo, mas dos homens, para que não pareça suspeito). Como uma gota de água. (E mais não digo, que parece mal)
publicado por galinhola às 17:48
link do post | comentar | favorito
|
.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds