um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Terça-feira, 20 de Janeiro de 2004
Modo citação: Salvatore Quasimodo
Este é para as meninas da Janela Indiscreta que ficam a ouvir as árvores e depois dizem que têm alucinações verdes.

ESPELHO

E eis que do tronco
rompem-se os brotos:
um verde mais novo da relva
que o coração acalma:
o tronco parecia já morto,
vergado no barranco.

E tudo me sabe a milagre;
e eu sou aquela água de nuvens
que hoje reflecte nas poças
mais azul seu pedaço de céu,
aquele verde que se racha da casca
e que tampouco ontem à noite existia.

de Água e Terras, tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti</a>
publicado por galinhola às 14:45
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 21 de Janeiro de 2004 às 10:20
Eu ontem estendi-me. Hoje milagre será dormir. Eu não aprendo.Ana Alves
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 21 de Janeiro de 2004 às 09:47
'E tudo me sabe a milagre' - é por isto que gosto das manhãs, de estrear os dias :)galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 21 de Janeiro de 2004 às 00:24
:)Ana Alves
</a>
(mailto:)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds