um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Quarta-feira, 28 de Janeiro de 2004
Anita no Metro
Hoje o meu lindíssimo bilhete 10 viagens foi rejeitado por duas máquinas de controle à entrada do Metro. Duas. Dirigi-me ao funcionário do Metro mais próximo, explicando-lhe o que se passava. Ele pegou no meu bilhete, mirou-o atentamente e apercebeu-se de que tinha um vinco - pronto, confesso, uma dobra acentuada. 'Pois, claro que não passa...' - comentou - 'assim dobrado...' - e suspirou. E agora? 'Agora tem de ir ali trocá-lo'. Ali era a bilheteira de venda de passes. Ali tinha pelo menos 15 pessoas na bicha. Percebi que tinha de ser dura, e expliquei-lhe que não ia ali trocar o bilhete; se não, nem daí a meia hora estaria no trabalho. Ele resfolegou baixinho. 'Eu vou assinar-lhe isto, mas à saída vai ter o mesmo problema...' Rabiscou o meu bilhete e abriu-me a passagem.

Obstáculo número 1 ultrapassado.

À saída, dirigi-me à bilheteira, onde dois senhores conversavam. Bom dia, e que precisava de trocar o bilhete. O homem pegou-o, olhou-o, sentiu a dobra sob os dedos tensos e olhou-o outra vez, visivelmente perturbado - um olhar que cedo se transfomou em desânimo e revolta. Engoliu em seco. 'Eu sempre quero ver como é que vocês vão fazer quando os bilhetes forem de plástico!...'

Vocês, perceberam? Fiquei calada, expiando a minha falta de mansinho. Nestes momentos, ou não me ocorre nada para dizer, ou ocorrem-me coisas que não permitem manter uma relação proveitosa com as pessoas de quem dependo para sair daquele sítio. O senhor deu-me um bilhete impecável, com uma ligeira curva dorsal a que nem as máquinas mais exigentes serão capazes de dizer não.

Vocês. Reparem, eles já nos toparam. Não vale a pena tentarmos enganá-los, tentar forçar as máquinas a engolirem bilhetes maltratados. É que não vale a pena.
publicado por galinhola às 09:37
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Anónimo a 10 de Fevereiro de 2004 às 19:37
até que enfim que encontro alguém que diz " estar na bicha" sem medo que lhe cortem as mãos.
Cândida
</a>
(mailto:mcasa86@hotmail.com)
De Anónimo a 31 de Janeiro de 2004 às 23:25
Essa do "voçês", e "já nos toparam" é do melhor.
Dobrar bilhetes do metro é muito feio...muito feio...ai ai ai...estes menin@sPedro Lima
(http://espanto.blogspot.com)
(mailto:terramann842@hotmail.com)
De Anónimo a 30 de Janeiro de 2004 às 20:09
Eu hei-de ir para o inferno. Mas também, é lá que está o Tom Sawyer.galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 28 de Janeiro de 2004 às 13:35
As pessoas de bem não estragam os cartões do metro, Ana!Ana A.
</a>
(mailto:)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds