um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Sexta-feira, 11 de Novembro de 2005
Os cravos
Lia o bilhete que está na parede, baloiçava a esfera e ajeitava os cravos. Depois, ia-me embora.






Hans Holbein, Georg Gisze, mercador alemão em Londres (1532)
publicado por galinhola às 17:31
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 16 de Novembro de 2005 às 23:25
Diz que o senhor Hans tinha jeito para captar com muita fidelidade os rostos e as expressões. Mas eu gostei mesmo muito daqueles cravos, e aposto que tinham cheiro.galinhola
</a>
(mailto:)
De Anónimo a 12 de Novembro de 2005 às 18:40
"O que se vê aqui, este retrato, mostra as coisas de Georg e a sua pessoa, cujos olhos são assim na realidade, cuja face assim é." Não toco na esfera nem nos cravos. Vou só abandonar a cena? Cumpts.Bic Laranja
(http://biclaranja.blogs.sapo.pt)
(mailto:biclaranja@sapo.pt)

Comentar post

.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds