um ponto à superfície
.posts recentes

. (Que silêncio; está-se tã...

. Fuma

. O demo, ainda à solta e a...

. O demo anda outra vez à s...

. Os cravos

. Dizem-me todos o mesmo

. Os que ficam com o que ab...

. Agora, não

. Numa mão a espada, na out...

. The Thought Project

.arquivos

. Janeiro 2006

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Agosto 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

. Dezembro 2003

. Novembro 2003

Segunda-feira, 2 de Janeiro de 2006
(Que silêncio; está-se tão bem aqui)
Como saber se um vulcão está extinto?
Um vulcão extinto é uma coisa muito triste, apenas comparável a uma área de orquestra que nunca é usada. No entanto, nem sempre um vulcão aparentemente extinto o está, de facto. É um pouco como aquelas borbulhas que não esprememos até ao fim. Grande porcaria.


Descobri no outro dia que foi este o primeiro post deste blog (quando ainda não era bem um blog, quando eu andava a brincar a ver como funcionava isto).

Este blog, há semanas, pôs-se a dormir uma sesta, depois entrou em hibernação, depois talvez em coma. Não faço ideia. Este post é apenas para dizer alguma coisa a quem ainda aqui vem (se é que não desistiram já todos, que é o que eu teria feito). Deixou de me apetecer postar, e pronto. A verdade é que não sinto que tenha a dizer seja o que for que valha a pena, que eu ache que mereça interromper o silêncio. Também deixei praticamente de ler blogs, mesmo aqueles de que ainda gosto. Talvez seja o meu organismo a rejeitar uma vida de excessos, talvez sem saber esteja metida num casulo, talvez tenha sido, finalmente, abduzida por extraterrestres, ou talvez isto seja um amor que acabou e não haja nada a fazer. Não sei, como no primeiro post, se isto está extinto ou apenas em repouso. E já nem penso muito nisso (eu, que até sou uma rapariga ajuizada!).

E depois, venho aqui pela calada cobardemente, só por descargo de consciência ou sucedâneo de cortesia, quando acho que já toda a gente foi embora. Se não fosse mariquinhas, nem dizia nada. Refiro o primeiro post mesmo sabendo que este falso passe de magia de fingir que fechei o círculo é desajeitado. Nem tenho vontade ou coragem de me sentir emocionada (e não estou, de facto) nem agradecida (isso, estou), vejam só que miséria. Mas fica aqui uma palavra que, se for realmente a última (e eu sei lá), sempre é bonita: sal.
publicado por galinhola às 22:16
link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Novembro de 2005
Fuma
Sentada a comer uma sopa em silêncio e a pensar que por entre os livros, revistas e discos espalhados já só sobra espaço para o prato, a colher, o copo - uma pequena praia sobre a mesa que me serve de ancoradouro para a refeição nocturna. Gostaria de ver a mesa vazia, disponível, a mesa onde poderia pousar apenas uma maçã ou uma pedra redonda e lisa, um segundo prato para alguém que viesse. Um dia destes, é claro, hei-de arrumar isto.
Olho para a varanda através do vidro. Lá fora, ao frio, Pavese fuma, de gabardine beige com a gola levantada; de vez em quando, dá um passo para a esquerda, ou para a direita, olha talvez as casas do outro lado da rua. Fuma ainda, enquanto eu como a sopa e me deixo prender de vez em quando pelo brilho do fundo da colher. Já é tão de noite; é a hora a que Pavese fuma, a hora a que como a sopa.
E então penso: Pavese fuma, fumou alguma vez na vida? Espero que sim. Que pelo menos seja ele, enquanto termino a sopa.
publicado por galinhola às 23:16
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
O demo, ainda à solta e agora com câmara de vídeo
Já está disponível no portal Fátima Virtual o vídeo das exéquias da irmã Lúcia (entre outros).
publicado por galinhola às 10:15
link do post | comentar | favorito
|
O demo anda outra vez à solta
Depois de uma ou duas idas ao cabeleireiro das quais saí incólume, tentaram desta vez vender-me um champô para disciplinar o cabelo.
Vingança óbvia e mesquinha por eu ter dito que não queria fazer brushing.
publicado por galinhola às 10:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 11 de Novembro de 2005
Os cravos
Lia o bilhete que está na parede, baloiçava a esfera e ajeitava os cravos. Depois, ia-me embora.






Hans Holbein, Georg Gisze, mercador alemão em Londres (1532)
publicado por galinhola às 17:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 10 de Novembro de 2005
Dizem-me todos o mesmo
O vendedor da revista Cais já não tem revista Cais - diz que está à espera do número 8 da revista Águasfurtadas. Isso, sim, vai render dinheirinho, vai dar para mudar de vida!, comenta.

O cauteleiro diz que não tem cautelas - está à espera do número 8 da revista Águasfurtadas.

O velhinho do Borda d´Água diz o mesmo. Aliás, até os romenos que tentam vender o Borda 'Água pelo dobro do preço dizem que esperam agora o número 8 da revista Águasfurtadas - e até lá, não há nada para ninguém.

E o homem das castanhas também. Parece que já está na gráfica, diz-me ele. E desta vez tem textos de Affonso Romano de Sant’anna (um dos melhores poetas
brasileiros vivos), Margarida Ferra, João Luís Barreto Guimarães,
William Blake (com tradução de Manuel Portela), Forugh Farrokhzad (uma
extraordinária poeta iraniana ainda por revelar em português), Moshe
Ha-Elion (com tradução de M.V. Andrade), Lourenço Bray, Paulinho
Assunção, Valério Romão, António Tavares Lopes, Regina Guimarães,
Saguenail e Jorge Mantas. Para além de inúmeros trabalhos de artes
visuais e o habitual CD Audio com obras de autores contemporâneos,
que, neste número, inclui ainda uma verdadeira preciosidade: duas
"Ostras", de Pedro Coelho.
.

Sempre atento, o homem das castanhas. Diz que que foi o Rui quem lhe contou.
publicado por galinhola às 14:38
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 9 de Novembro de 2005
Os que ficam com o que abandonámos
À noite chegam os gatos. Sentam-se nas bancadas da piscina vazia, recolhem as patas e ficam a olhar o fundo azul, fosforescente e frio do luar.
publicado por galinhola às 23:49
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 3 de Novembro de 2005
Agora, não
Agora, não chove. Mas deve estar para chover outra vez.
publicado por galinhola às 22:15
link do post | comentar | favorito
|
Numa mão a espada, na outra
Escolheria o silêncio se fosse um silêncio puro. Uma coisa a sério, e não apenas o tempo passado a medir o silêncio, a espera inquieta por aquilo que virá quebrar o silêncio. Mas que digo eu: chove.
publicado por galinhola às 22:08
link do post | comentar | favorito
|
The Thought Project
Em que é que esta gente anda a pensar? Uma colecção de 55 instantâneos mentais, por Simon Hoegsberg.
publicado por galinhola às 15:00
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
.pesquisar
 
.Janeiro 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

. Ser catita

blogs SAPO
.subscrever feeds